Índice

Qatar – a sua história, cultura e actualidade

 

O Qatar ganhou fama no ano passado, principalmente devido aos jogos da FIFA 2022 que ali se realizam. Na verdade – o Qatar é o primeiro país muçulmano a acolher o Campeonato do Mundo no mundo. No entanto, o que temos notado ao longo das últimas semanas é a crítica predominante ao país, apesar dos enormes esforços dos catarianos para fazer face a esta tarefa não fácil. Assim, este texto foi escrito para respeitar os esforços de todos aqueles que contribuíram para tornar este evento possível.

Panorama da Baía Ocidental de Doha à noite; Qatar
Doha, a capital do Qatar, à noite. Panorama da Linha do Horizonte da Baía Ocidental

As críticas ao Qatar incidem principalmente sobre as leis rigorosas dessa sociedade, bem como sobre as difíceis condições de trabalho dos imigrantes que trabalharam para construir os estádios e todas as infra-estruturas necessárias para a competição FIFA 2022. E olá! Acho que não sei tudo. E sim – a cultura do Qatar é diferente da “cultura ocidental” em alguns aspectos. E sim, as ruas estavam repletas de pessoas que trabalhavam com suor para construir quase tudo. Mas adivinhem só? A maioria das pessoas que conhecemos em Doha estavam felizes por terem conseguido o emprego e preferiam o Qatar em vez de, digamos, o Dubai. Estou de acordo com todas as regras do Qatar? Claro que não, mas também compreendo porque é que elas existem.

 

Ao visitar este país, tivemos impressões e factos positivos – fomos muito bem recebidos pelos “locais”. Uma breve explicação, porém, logo no início: ao visitar o Qatar, adoptámos a mentalidade de que estávamos a visitar a casa de alguém e respeitaremos as regras aí vigentes e os próprios anfitriões.

Ficar aberto ao Qatar

A ideia principal é respeitar as diferenças e não tentar mudar alguém pela força. As pessoas mudam pessoalmente e os países, juntamente com as suas culturas, também mudam. Se um padrão de modos e direcção de mudança fosse imposto a cada pessoa e país, que mundo aborrecido iríamos viver.

 

Acreditamos que por vezes as críticas ou conflitos podem ser aliviados com conhecimento e compreensão. Esta última ajuda, especialmente no tratamento uns dos outros com respeito. É por isso que este artigo tem estado na minha mente há já vários dias.

 

 

 

O país do Qatar – origens

Porto Al Khor com barcos tradicionais; Qatar
Barcos de pescadores tradicionais do Qatar no porto de Al Khor

Apenas no início – este será realmente um breve resumo da história do Qatar. A história em si não é clara. Muitas fontes contam-na de diferentes pontos de vista, e é difícil estabelecer uma versão da história. Devemos lembrar que os Qataris são descendentes de famílias beduínas, que muitas vezes não estavam ligadas a um só lugar. Os beduínos viveram dispersos pela península do Qatar durante séculos. Em tais condições, não é fácil ter uma narrativa comum. No entanto, deixo links para três das mais importantes fontes de conhecimento sobre o Qatar: o website Visit Qatar, a Encyclopedia Britannica e, claro, a Wikipedia. Por isso, se quiser aprofundar o tema, desejo-lhe uma leitura agradável!

 

Para aqueles que ainda não leram os artigos anteriores sobre o Qatar no Sumfinity e estão no início da obtenção de conhecimentos sobre o país, aqui vai uma breve introdução. O Qatar é um país da Ásia Ocidental, ocupando uma pequena península chamada “Qatar” na costa nordeste da Península Arábica. Faz fronteira com a Arábia Saudita a sul, o Iraque a norte e o Golfo Pérsico a leste. Um estreito no Golfo Pérsico separa o Qatar do Bahrein.

 

Embora pareça que o Qatar é relativamente jovem, na realidade, a história do país remonta aos tempos antigos. O Qatar, e partes da Arábia Saudita, já foram colonizados por humanos há cerca de 50.000 anos. Isto é confirmado por escavações arqueológicas – numerosos acampamentos e ferramentas da Idade da Pedra. A Mesopotâmia foi a primeira civilização a estar presente na área durante o período Neolítico.

 

A história da área pode ser dividida em três épocas distintas: a Era Pré-Islâmica (antes de 700 d.C.), a Era Islâmica (depois de 700 d.C.) e a Era Moderna (depois de 1800).

 

Era Pré-Islâmica

 

Al Zubarah Fort - UNESCO; visiting Qatar
Forte Al Zubarah no Qatar. Tivemos este património mundial da UNESCO para nós próprios por um momento. Na foto está o nosso motorista em roupa tradicional do Qatar.

A primeira era já foi mencionada: a ocupação humana do Qatar data de há 50.000 anos. A Península do Qatar foi também o berço da cultura da Idade do Bronze, datando aproximadamente entre os anos 3000 a.C. a 2200 a.C. Durante este período e até cerca de 3000 a.C., foi um importante centro de comércio onde as mercadorias eram trocadas por artesanato. Algumas das escavações significativas desta época podem ser encontradas na zona de Al Khor.

 

Durante o período de colonização precoce, a península foi o centro de vários impérios diferentes, incluindo os Seleucidas, Parthians e Sassanids.

 

 

 

Período Islâmico

 

Em 628 DC. Mundhir bin Sawa Al Tamimi, o governante cristão da região de Al Hasa da península do Qatar, abraçou o Islão. Com este evento, começou a islamização das tribos locais.

 

No entanto, para além de algumas transmissões e relíquias, sabemos pouco sobre este tempo de desenvolvimento do Qatar. Isto deve-se provavelmente ao facto de apenas algumas tribos terem habitado a península. O que se sabe, contudo, é que a partir do século VIII, a área tornou-se um centro significativo para o comércio de pérolas e camelos.

 

Um grande avanço para a Península do Qatar veio durante a Idade Média e mais tarde o Renascimento na Europa. E foi em grande parte devido à chegada de visitantes europeus.

Em 1507, os portugueses ganharam o controlo de seis cidades costeiras na costa ocidental da Índia (incluindo Kutch) e estabeleceram rotas comerciais com Malaca. Construíram fortes em lugares próximos como Diu (1531), Daman (1555), Agra (1556) e Bombaim (1662). A British East India Company seguiu o exemplo, estabelecendo aqui um posto de comércio em 1608. Ambas as nações tiveram um impacto significativo na economia e cultura do Qatar.

Museu de Arte Islâmica (MIA) à noite - Doha, Qatar
Provavelmente o edifício mais emblemático de Doha, Qatar: O Museu de Arte Islâmica (MIA), visto do lado do porto.

Em 1515 (921 AH), Manuel I de Portugal liderou uma invasão das cidades e aldeias do Qatar com uma força de 1.800 homens. As forças portuguesas conseguiram capturar toda a costa do Qatar, incluindo a capital do país, Doha. No entanto, os portugueses não foram os únicos tentados a conquistar o Qatar. No século XVI, houve uma rivalidade significativa entre os portugueses e os otomanos, com um interesse particular na região do Bahrein, que os portugueses ocuparam entre 1521-1602. Os otomanos reconquistaram a área, mas no final, nos anos 1570, um xeque da tribo Banu Khalid empurrou-os para fora de Al Hasa.

 

A era moderna do Qatar

 

Esta, contudo, não é toda a história de relações tensas Qatar-Otomano. As tropas otomanas, que ocuparam a província vizinha de Al-Ḥasā na Arábia Saudita, ocuparam o Qatar em 1871. O Qatar só se libertou da ocupação otomana após a reconquista de Al-Ḥasā pelos sauditas, em 1913. Nesta altura, a Grã-Bretanha entrou na fase da história. Os britânicos, em 1916, assinaram um tratado com o líder do Qatar que lhes deu o controlo da política externa do país, em troca da protecção britânica.

Qanat Quartier em "The Pearl" com vista para Lusail - Doha ou Veneza? Qatar
Pequena Veneza, num bairro moderno de “A Pérola”. Fachadas italianas, Ponte Rialto, Canais de Água – tudo isto pode ser encontrado no Qanat Quartier

Mas em 1971, o Qatar obteve a independência dos britânicos sob o xeque Khalifa bin Hamad bin Abdullah Al Thani e tornou-se um emirado autónomo dentro do recém declarado Estado do Qatar. Em 1986, o Qatar tornou-se um membro de pleno direito da Liga Árabe.

 

Governação e população do Qatar

Actualmente, o Qatar é um Estado soberano. A família Thani governa o Qatar desde que Mohammed bin Thani assinou um tratado com os britânicos, que reconheceu o estatuto separado da região. O Qatar é uma monarquia constitucional, tendo o emir como chefe de estado e de governo. Foi realizado um referendo em 2003, com 98% dos votos a aprovar a constituição. O emir nomeia o primeiro-ministro do seio da família governante. O emir, que tem governado desde 1995, é Hamad bin Khalifa Al Thani. O primeiro-ministro é Abdullah bin Nasser bin Khalifa Al Thani.

 

Camelos no centro de Doha; Qatar
Sim, pode encontrar Camelos no Qatar e mesmo em Doha. Aqui os cavaleiros de camelos têm vindo a exercer em frente ao edifício do governo.

A população do Qatar foi estimada em 2.043.693 habitantes em 31 de Julho de 2017, de acordo com o Departamento de Censos do Ministério do Planeamento e Estatística do Desenvolvimento (MDPS). Curiosamente, apenas 313.000 pessoas são originais do Qataris. A restante população do Qatar veio para a região para fins económicos.

 

A economia do Qatar

 

Em 1961, o Qatar juntou-se aos Emirados Árabes Unidos para formar o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC). Em 2001, o Qatar juntou-se a outros membros da OPEP, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo. De acordo com algumas fontes, o Qatar exporta o gás liquefeito mais natural em comparação com outros países.

Fotografia diária de Msheireb Centrum Doha; Qatar
Novo Centro da Cidade – Msheireb Centrum Doha

A economia do Qatar cresceu rapidamente nos últimos anos graças principalmente às suas reservas de gás natural, que representam cerca de 80% das suas receitas de exportação. No entanto, o país conseguiu diversificar-se para outras indústrias graças aos seus investimentos estrangeiros. Isto inclui participações em empresas tão conhecidas como a Volkswagen AG (OTC:VLKAY), HSBC Holdings PLC (LON:HSBA), Barclays PLC (LON:BARC), Credit Suisse Group AG (SIX:CSGN), Glencore International PLC (OTC:GLNCY) e Électricité de France SA (EPA:EDF). A família governante do Qatar é também um dos maiores proprietários de terras no Reino Unido e tem contribuições significativas para o Empire State Building.

 

A revista Forbes classificou o Qatar como o país com o PIB per capita mais elevado de todo o mundo, com 129.000 dólares por pessoa em 2013 (23 mil milhões de dólares da população total).

Além disso, o Qatar tem sido descrito por algumas fontes como um dos países mais ricos do mundo per capita – tem mais de 250 mil milhões de dólares em activos líquidos disponíveis para investimento. Acima disso, o Qatar ocupa o primeiro lugar na lista de bilionários da Forbs para 2018 (com 25 bilionários).

 

Pode sentir a prosperidade do país olhando para os detalhes. Por exemplo – sabia que a água, a electricidade e as chamadas telefónicas no Qatar são gratuitas para os Qataris originais? O combustível também custa quase um cêntimo. Com o Nico, esfregamos os olhos várias vezes, olhando para os preços na estação de serviço. No entanto, também há desvantagens em viver no deserto. 90% dos produtos alimentares são importados de outros países para o Qatar, e por causa disso, são caros. E embora o governo esteja a trabalhar para estabelecer explorações agrícolas eficientes, a tarefa não é fácil nem barata. Ainda estamos a falar de um país situado no deserto.

 

De onde vem a água do Qatar?

 

O que nos surpreende é como o Qatar obtém a sua água – ainda estamos a falar de um país que se situa no deserto (literalmente). Estima-se que o Qatar recebe apenas 82 mm de água por ano. Antigamente, os beduínos filtravam a água do mar ou a dos poços através de um pedaço de pano. Um processo extremamente demorado. E um método de pouca utilidade se pensarmos em animais reprodutores e produtos agrícolas para a alimentação. Assim, em 1953, foi posta em funcionamento a primeira fábrica de dessalinização em Doha. No início, a água era entregue por camião às casas até à construção de infra-estruturas profissionais de água.

Qatar - Campeonato do Mundo 2022; FIFA 2022
O monumento de contagem decrescente para a Taça das Vítimas da FIFA 2022, com a Linha do Horizonte de Doha ao fundo.

Hoje em dia, 99% da água das habitações provém da dessalinização. O problema com esta extracção de água é que esta requer muita energia. No entanto, como o Qatar se situa em depósitos de gás e petróleo, este problema é menos financeiro do que ecológico. A questão ecológica está relacionada com a formação de solução salina após a dessalinização, o que causa graves problemas ambientais. Como resolver estes desafios, especialmente se a população do Qatar está a crescer? A resposta pode não ser fácil.

 

Os beduínos e a sua cultura

 

Ao viajar no Qatar, é essencial aprender sobre a história e a cultura deste inacreditável país. Os beduínos são os habitantes originais do Qatar e são conhecidos pela sua hospitalidade.

A sua generosidade é lendária: diz-se que quando se visita o Qatar como hóspede, eles irão oferecer-lhe tudo o que têm – incluindo comida e abrigo. Se o seu carro avariar na berma da estrada, não se preocupe, se um dos beduínos o vir, eles certamente virão para o ajudar a consertá-lo enquanto partilham histórias sobre uma chávena de chá ou café (ou ambos).

 

Tradicionalmente, os beduínos eram pastores nómadas de ovelhas, cabras e gado. Normalmente trocavam com outras tribos por carne, produtos lácteos e lã. Os beduínos viviam em tendas tecidas a partir de pêlos de animais. Estas tendas são chamadas bayt al sha’ar. Séculos atrás, os beduínos negociavam em camelos. No entanto, eles também guardavam estes animais para transporte, leite e por vezes carne.

 

Um líder – o Xeque, governou os beduínos. O poder foi herdado de pai para filho. Mulheres e homens nos lares beduínos foram atribuídos papéis tradicionais. Os homens cuidavam dos animais maiores, do comércio e da defesa da tribo. Além disso, estes homens eram também caçadores – caçavam animais com a ajuda de falcões domesticados. As mulheres tomavam conta da casa, cozinhavam e criavam os filhos. Além disso, faziam belos tecidos e costuravam roupas.

 

Os beduínos também têm a reputação de serem corajosos e aventureiros; ao longo da história, lutaram sem medo contra os invasores, honrando tradições como a hospitalidade acima de tudo – mesmo em tempos em que não era seguro ou prático fazê-lo.

 

A religião do Qatar

Mesquita de Al Thakhira perto de Al Khor; Qatar
Mesquita de Al Thakhira perto de Al Khor; Qatar

O Islão é a religião dominante, e os Qataris são principalmente muçulmanos sunitas. Enquanto estiver no Qatar, ouvirá cânticos de oração cinco vezes por dia. Cada vez que ouvimos aquela voz penetrante de chamada vinda de mesquitas próximas, ela envia-nos arrepios pela espinha abaixo. Há algo de tão comovente e quase antigo neste canto que parece que o ar está a vibrar a partir dele. Os catarianos rezam ao amanhecer, ao meio-dia, a meio da tarde, ao pôr-do-sol e à noite. Quando rezam, voltam-se tradicionalmente para Meca (também conhecida como Makkah) na Arábia Saudita.

 

Alguns de vós já devem ter ouvido falar do Ramadão. Durante o Ramadão (o nono mês do ano lunar), os muçulmanos jejuam diariamente desde o nascer do sol até ao pôr do sol. Este é considerado um momento crucial para a reflexão espiritual, o que ajuda a fortalecer os laços sociais entre as pessoas que jejuam juntas. Durante este tempo, muitas pessoas comem uma grande refeição chamada Iftar (o que significa quebrar o jejum) antes do pôr-do-sol. Após o pôr-do-sol no Eid al-Fitr (o fim do Ramadão), os Qataris celebram em reuniões familiares, onde trocam presentes com amigos e vizinhos. É também comum sacrificar animais, que são tradicionalmente comidos depois do Eid al-Adha.

 

Código de vestimenta no Qatar

Os Qataris são muito modestos quando se trata de se vestir. Oficialmente, os homens usam normalmente longas vestes brancas, e as mulheres usam vestidos pretos que escondem os seus corpos e rostos em público. Os Qataris adoram o seu vestido tradicional, mas também estão abertos a mudanças e novas tendências vindas do estrangeiro. Se não estiverem em locais públicos, as mulheres podem vestir-se de forma moderna, embora com dignidade. O código de vestuário para as mulheres é conservador e modesto, enquanto se espera que os homens usem calças compridas ou jeans com camisas que cubram sempre os ombros e os braços.

Algumas das marcas mais populares no Qatar são Al-Zaytoon, Mango e Zara. O Qatar é um país pequeno, por isso é fácil encontrar lojas em Doha que vendem roupas de todo o mundo. Os centros comerciais em Doha não diferem em aparência e tipo de lojas de outras lojas de departamento ocidentais. Além disso, encontrará até a amplamente conhecida galeria La Fayette lá! No entanto, se quiser comprar roupa tradicional do Qatari – o melhor negócio esperá-lo-á no mercado Souq Waqif (sob recomendação do nosso guia).

Galeria Lafayette na Aldeia do Património de Doha
Galeria Lafayette na Aldeia do Património de Doha “Katara”

Se eu pudesse aconselhar alguma coisa, seria exercer moderação no seu próprio traje. E sim – Nico adora os seus calções, e eu adoro os meus vestidos de Verão, mas de um modo geral estávamos contentes por usar roupas que cobriam o nosso corpo. Primeiro: O Qatar é na sua maioria deserto, e um corpo nu pode ser rapidamente queimado pelo sol intenso. Segundo (muito importante), cobrir os seus bens (;-)) em lugares públicos é um sinal de respeito pelo anfitrião. Em geral, o Qatar é um país muito, muito seguro, mas chamar a atenção para o seu traje pode ser uma experiência desconfortável.

 

Comida no Qatar

 

Por último, mas não menos importante! Provavelmente, a minha parte favorita do artigo. A comida no Qatar é uma grande parte da cultura, e notar-se-á imediatamente. A comida é muito picante e tem muitos sabores, tornando-a apelativa para as pessoas que gostam da sua comida um pouco mais afiada.

 

Uma refeição no Qatar é considerada um momento importante do dia, especialmente quando se tem convidados em sua casa ou quando os membros da família se reúnem. É melhor não apressar a sua refeição porque, se o fizer, será considerado indelicado pelos padrões do Qatar. Os pratos principais mais comuns incluem arroz com frango ou borrego; lentilhas e carne com arroz; peixe estufado (geralmente garoupa), peixe grelhado ou shish taouk (espetada de frango marinada).

Jantar no Qatar

O que também notámos em Doha e fora da capital do Qatar foi a variedade de restaurantes e comida oferecida. Uma vez que o Qatar tem tantos imigrantes, o tipo de restaurantes reflecte esta diversidade. Enquanto estivemos no Qatar, experimentámos a autêntica cozinha palestiniana, a cozinha iemenita (a refeição ali é comida com as mãos enquanto se senta no chão), a cozinha indiana (provavelmente a melhor refeição indiana que alguma vez comemos), a cozinha iraniana, e assim por diante. O número de restaurantes e a sua variedade é verdadeiramente espantoso. E para além dos pratos típicos de carne, consegui sempre encontrar algumas opções vegetarianas (nem sequer sabia que havia tantos tipos de hummus!). Conclusão: provavelmente lembrar-nos-emos da experiência culinária no Qatar para o resto das nossas vidas.

Mercado tradicional de Souq Waqif

Se estiver em Doha, não deixe de visitar Souq Waqif. É aqui que os Qataris vão às compras. Lá poderá encontrar lojas com uma incrível variedade de doces, tâmaras e especiarias locais. Depois de fazer compras neste mercado tradicional, a nossa mala foi subitamente enchida com várias datas e rosas do Qatar, que, quando adicionadas ao chá, o tornam maravilhosamente aromático.

Souq Waqif mercado tradicional - Doha; Qatar
Souq Waqif mercado tradicional

 

Bebidas e álcool no Qatar

 

Os tipos de bebidas servidas durante as refeições podem variar dependendo do local onde se come (por exemplo, se é fast food ou um restaurante com serviço). As bebidas não alcoólicas como a Coca-Cola ou a Fanta estão normalmente disponíveis em todos os restaurantes.

 

O álcool não é consumido no Qatar. Para nós, este não foi um problema significativo. Pelo contrário, foi realmente refrescante ver como as pessoas celebram na sexta-feira, como podem dançar e passar um tempo maravilhoso sem álcool. Talvez seja também por isso que me senti mais seguro nas ruas de Doha após o pôr-do-sol do que em muitas cidades europeias. À noite, a cidade encheu-se de multidões de pessoas que riam, e não houve agressão ou comportamento tolo entre elas.

Palavra de encerramento

Estar no Qatar foi como visitar um mundo diferente. Um mundo onde a cultura do país ainda não foi diluída por uma globalização omnipresente. Os princípios sociais e a construção de valores referem-se não só à religião muçulmana, mas também à tradição beduína secular e fascinante. Sim, algumas coisas podem parecer um pouco diferentes da cultura ocidental, mas se as aceitarmos tal como são, podemos realmente encontrar-nos num velho conto de fadas árabe. Ouvi num documentário da Deutsche Welle que visitar o Souq Waqif é a experiência mais próxima de se encontrar num “Conto de 1001 Noites”. Na minha opinião, mergulhar em toda a cultura do Catar é como experimentar um salto da realidade dos antigos contos de fadas árabes e uma realidade futurista ao mesmo tempo. Não tivemos este tipo de experiência até à visita ao Qatar.

 

Nico Trinkhaus

Nico Trinkhaus

Nico Trinkhaus is the mind-blind photographer, using cameras to create visions and memories that otherwise would be lost to him.
Ópera Estatal de Viena - Fotografia nocturna, Áustria.

Viena

Não há outro lugar onde as formas barrocas voluptuosas se entrelaçam com a lógica das

Ler mais "

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *