Podgorica

Índice

Um lugar que não pretende ser nada, por exemplo, uma “metrópole ocidental fixe”, para atrair turistas. É como é – uma capital pequena e acolhedora com cidadãos simpáticos e calorosos, porque é assim que eles são e não porque se é um forasteiro.

E os sítios “turísticos” não são o melhor que Podgorica pode oferecer. Há uma beleza melancólica neste lugar que só se pode descobrir passando pelas ruas em silêncio, sem ser perturbado por grupos ruidosos de pessoas apressadas.

Podgorica (“debaixo de uma pequena colina”)

Ponte do Milénio de Podgorica, Montenegro.
Ponte do Milénio em Podgorica

Quando decidimos celebrar a passagem de ano de 2017 com os nossos amigos em Podgorica, a capital do Montenegro, tenho de admitir que estava um pouco cética. O meu primeiro pensamento foi: “tendo em conta a dimensão da cidade (220 mil habitantes), vamos acabar as visitas turísticas em apenas algumas horas”. O segundo pensamento (felizmente) foi mais otimista: “mas, nesse caso, vamos ter mais tempo para provar o vinho do Montenegro”.

Quando chegámos a Podgorica, ao início da tarde, foi uma mudança tremenda para nós, em comparação com a nossa casa em Berlim. Primeiro, estava sol (é algo invulgar ver sol em Berlim no inverno). Em segundo lugar, não havia pressa na cidade. Vimos poucos transeuntes nas ruas acolhedoras.

A maioria das lojas estava fechada nessa altura, exceto os cafés e algumas lojas de bebidas (que visitámos para comprar algumas bebidas locais). Na praça do mercado, estava a ser construído um palco para a festa de passagem de ano do dia seguinte. As crianças chapinhavam na água que escorria da fonte e, apesar das temperaturas frias, havia palmeiras verdes a crescer nas ruas de betão. Depois do ritmo acelerado de Berlim, estas cenas quase pareciam acontecer em câmara lenta para nós.

Panorama de Podgorica com as montanhas montenegrinas em pano de fundo.
Zona residencial de Podgorica

Depois de uma curta caminhada, encontrámos um café que parecia promissor. Apesar de não haver espaço suficiente para um grupo de 7 pessoas, os empregados mudaram as mesas de lugar para que nos pudéssemos sentar juntos – uma boa primeira impressão. A segunda boa impressão foi a comida – as porções eram quase impossíveis de acabar numa só refeição, e tudo tinha um preço justo. O café estava cheio de gente e a música moderna dos Balcãs passava na televisão que estava pendurada no bar.

Como descobrimos mais tarde, este tipo de música eletrónica era algo único nesta região. Em quase todos os bares e restaurantes por onde passámos, havia pelo menos uma televisão onde se podia ver vídeos com mulheres bonitas, por vezes seminuas, a dançar ao ritmo de música eletrónica moderna, por vezes misturada com sons folclóricos.

Uma combinação que é difícil de descrever, a menos que a tenha ouvido. Apesar do meu feminismo protestar na minha cabeça (“porque é que as mulheres têm de estar nuas?”), havia algo de encantador naqueles sons que nos seguiam para todo o lado. Em nenhum outro lugar pude observar tamanha falta de música popular internacional e a concentração nas bandas locais.

Monumento a Vladimir Vysotsky com a Ponte do Milénio ao fundo em Podgorica, Montenegro.
Monumento a Vladimir Vysotsky em Podgorica

Se é fã da cozinha dos Balcãs e não é vegetariano, Podgorica é o paraíso. Os pratos de carne mais comuns que provámos foram o Ćevapi, o Pljeskavica (um hambúrguer local) e o Ražnjići, que se pode obter em muitos restaurantes, mas também como comida de rua. Basicamente, tudo o que tinha carne estava na ementa. Para além disso, descobrimos outra variante do “queijo em cima” – Njeguški sir – queijo conservado em óleo. Estes pratos acompanharam muito bem o vinho branco e tinto montenegrino da casta Vranac – um tipo de uva antigo, típico da Macedónia, Sérvia e Montenegro, que é cultivado sobretudo no Montenegro, nas regiões em redor de Podgorica.

Tínhamos dois dias para passear. O céu azul e limpo permitiu-nos ver a colina Gorica, que dá o nome à cidade. Poderá tirar as suas próprias conclusões sobre o nome de Montenegro (“montanha negra”), uma vez que a capital se situa, de facto, numa zona plana. Podgorica está rodeada por dois rios: Morača e Ribnica. O primeiro estende-se sobre um vale no meio da cidade, e foi uma experiência agradável passear ao longo da sua água verde-turquesa, que contrastava com as pedras brancas que cobriam as suas margens.

Arquitetura

A Catedral da Ressurreição de Cristo em Podgorica, Montenegro, é uma arquitetura moderna com elementos do estilo bizantino.
Catedral de Podgorica

A arquitetura de Podgorica também não é fácil de descrever. É marcada pela mudança de regimes. A parte mais antiga da cidade não é como noutras cidades. É uma zona quase exclusivamente residencial, com casas antigas e ruas estreitas. Os tempos do Império Otomano também deixaram uma marca neste local – encontrámos duas mesquitas e uma pitoresca torre do relógio. Foi uma experiência tão diferente para nós comparar com o sítio onde ficámos em Nova Varoš (“cidade nova”), onde as ruas eram tão largas como noutras cidades europeias.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Podgorica foi quase arrasada e foi construída como uma cidade jugoslava no bloco comunista (a cidade chamava-se então “Titograd” – em nome de Josif Brod Tito, o presidente da Jugoslávia). Esses blocos de apartamentos eram típicos da época e estavam pintados com cores vivas em muitos sítios, o que dava à cidade um aspeto mais vivo. A partir dos anos 90, começou a revolução urbana e foram erguidos os novos edifícios de aço e vidro. Foi também nesta altura que a Ponte do Milénio e a igreja ortodoxa Hristovog Vaskrsenja foram construídas e se tornaram os principais marcos da Podgorica contemporânea.

Torre do Relógio (Sahat Kula) em Podgorica, Montenegro. Vista do tempo dos otomanos.
A Torre do Relógio em Podgorica

Outro exemplo desta tendência do aço e do vidro em Podgorica é a rua George Washington, que é um local obrigatório para uma experiência única. O Nico e eu fomos lá durante o dia e éramos as únicas pessoas a passar pelas lojas luxuosas, mas vazias, como Emporio Armani, Max Mara e outras. Uma lista de reprodução de canções de Natal americanas tocava nos altifalantes e parecia começar no momento em que nos aproximávamos daqueles edifícios. Então, de repente, depois de mais alguns passos para longe desta rua, estávamos rodeados de pessoas que caminhavam lentamente para os edifícios de escritórios à volta ou para um restaurante favorito.

É assim que eu poderia resumir a experiência de Podgorica: uma cidade única e confiante na sua cultura, onde a música, a comida e a simpatia genuínas locais se sobrepõem à cultura pop ocidental amplamente difundida. Isto não significa que tenhamos tido um choque cultural, pois há muito da Europa neste sítio. Também se pode sentir seguro e confortável em todas as partes da cidade. O que quero dizer é que a confiança e o elogio das suas próprias tradições se estenderam de tal forma à realidade moderna, que se tornaram parte integrante da mesma. Essas tradições não são apenas históricas, como em muitos países ocidentais; estão vivas e estão a desenvolver-se em novas formas, adaptando-se ao mundo moderno que as rodeia.

Igreja de São Jorge de Podgorica e parque em redor da colina de Gorica, Montenegro.
Igreja de São Jorge

Picture of Daria Trinkhaus

Daria Trinkhaus

Daria Trinkhaus is a writer, who loves to discover the hidden stories behind each and every place she visits.
San Gimignano e as vinhas de San Gimignano, Itália.

Toscana

A Toscana em Itália Quando as pessoas pensam na Toscânia, imaginam frequentemente colinas ondulantes cobertas

Ler mais "
Ponte do Milénio de Podgorica, Montenegro.

Podgorica

Um lugar que não pretende ser nada, por exemplo, uma “metrópole ocidental fixe”, para atrair

Ler mais "
Panorama de Nicósia, em Chipre, tirado do Museu e Observatório Shacolas.

Nicósia

É difícil escrever sobre Chipre sem provocar emoções ou reacções polarizadas em muitos europeus, especialmente

Ler mais "

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *