Kotor

Índice

Quando se vê uma fotografia da baía de Kotor feita a partir das ruínas antigas nas montanhas acima, não se pode deixar de sonhar em visitar este lugar. Kotor, no Montenegro, era um sonho fotográfico para Nico há pelo menos dois anos, mas parecia ser sempre uma viagem muito longa a partir de Berlim, uma vez que não havia boas ligações aéreas.

Isto até ao momento em que decidimos passar a passagem de ano em Podgorica, que fica apenas a 65 km de Kotor – não podíamos perder a oportunidade.

Fotografia panorâmica à luz do dia de Kotor, Montenegro.
Kotor Bay View Panorama
Fotografia de Ano Novo de 2017 da Porta do Mar de Kotor, tirada ao nascer do sol.
Decoração para a véspera de Ano Novo em Kotor

No primeiro dia de 2017, saímos de Podgorica e dirigimo-nos para Kotor. Tendo em conta o número reduzido de autocarros que vão para Kotor nodia 1 de janeiro, apanhámos um táxi.

Acabou por ser uma óptima ideia, pois o tempo estava perfeito e, durante cerca de 2 horas, tivemos tempo para admirar a paisagem com os seus vales verde-escuros e montanhas negras (de onde vem o nome “Montenegro”).

Apenas algumas nuvens fofas se encontravam nos topos, e pareceu-nos que pareciam cansadas depois de terem festejado a noite passada. Por vezes, os nossos batimentos cardíacos aumentavam quando o condutor fazia curvas de 180 graus e conseguíamos ver o precipício e o mar azul-turquesa, nem que fosse por um momento.

Fiorde do Sul da Europa

Panorama do pôr do sol sobre Kotor e a Baía de Kotor, em Montenegro.
Baía de Kotor ao pôr do sol

Quando chegámos a Kotor, a nossa tensão arterial subiu ainda mais devido à excitação. Não se podia ver o Mar Adriático da costa. Nesta parte do Montenegro, o mar penetra profundamente na terra e nas montanhas, criando ria – um desfiladeiro fluvial submerso, que se assemelha a um fiorde – o Boka Kotorska na língua nativa desta região.

A água era turquesa, o que contrastava com os penhascos salientes – Orjen e Lovćen, que pareciam estar a fechar a baía a partir desta perspetiva. Atrás de nós, os edifícios brancos da cidade contrastavam com as montanhas escuras, que se erguiam sobre os pequenos edifícios pálidos.

À luz quente do sol poente, podia-se ver a antiga fortaleza de Kotor, tão pacífica e vazia nesta altura.

Cidade dos gatos

Fotografia da Porta Norte de Kotor, tirada pouco antes do nascer do sol.
Porta Norte de Kotor

Deixámos a bagagem desfeita no nosso apartamento Airbnb, pegámos na máquina fotográfica, nalgumas fatias de pizza e fomos tirar fotografias antes de a noite chegar. Foi um bom começo para um novo ano! Depois de algumas horas a passear, descobrimos que Kotor também é muito animada durante a noite.

Todo o chão da cidade estava coberto de pedras brancas que, quando molhadas pelo ar da noite, reflectiam as luzes de tal forma que toda a cidade parecia ser feita de mármore. Nas lojas de recordações, vimos postais com “gatos de Kotor”. No início, pensámos que era por causa daquelas pedras (em polaco, as “pedras da calçada” são chamadas “pedras de gato”), mas depois, quando olhámos para baixo, vimos muitos gatos de todas as formas, tamanhos e cores a correrem pelas ruas com os seus miados altos. Era uma verdadeira cidade de gatos!

A cidade velha de Kotor e a fortaleza veneziana são Património Mundial da UNESCO

Fotografia da Catedral de Kotor, tirada pouco antes do nascer do sol.
A Catedral de São Trifão

Kotor é Património Mundial da UNESCO – assim como a cidade velha de Kotor e a fortaleza veneziana na colina de São João. A cidade velha em si é pequena (961 habitantes, segundo a Wikipédia), mas pode perder-se a toda a hora. No entanto, há uma coisa de que se pode ter a certeza – quando se pensa que se está perdido, acaba-se sempre por voltar à praça da Catedral de São Trifão – a sede do Bispado Católico Romano.

A catedral foi construída em 1166 e é um dos edifícios mais ornamentais da época medieval em Kotor. Fica quase no meio da cidade e é impressionante ver as suas paredes brancas a contrastar com as montanhas acima. Para além desta catedral, Nico gostou da arquitetura da Porta do Mar e da Porta do Rio de Kotor – partes da fortificação da cidade, que remonta ao séculoIX. Gostou tanto que acordou antes do nascer do sol para os captar na “hora azul”, quando a cidade ainda dorme.

Visitar Kotor no inverno

Imagem nocturna da Baía de Kotor, tirada da Fortaleza de Kotor.
Vista nocturna da baía de Kotor

O inverno é uma altura apropriada para visitar Kotor, uma vez que não há muitas pessoas a chegar de cruzeiro. Podíamos desfrutar da cidade sem nos espremermos entre as multidões. Foi também uma boa oportunidade para o Nico tirar fotografias sem pessoas. No entanto, assim que decidimos subir à fortaleza veneziana que domina a cidade, descobrimos que não éramos os únicos estrangeiros por ali, e pareceu-nos que toda a gente vem a Kotor, salta a cidade e vai ver a fortaleza.

Fortaleza veneziana na colina de São João

Fortaleza de Veneza como Património Mundial da UNESCO

Passámos quase todo o dia no monte de São João, onde se situa a fortaleza. Andámos para cima e para baixo, tentando encontrar a composição perfeita para as fotografias, sem fôlego o tempo todo, maravilhados com a vista da cidade com os seus telhados vermelhos a nossos pés, a água turquesa da baía e as montanhas escuras de aspeto perigoso lá em cima.

A Fortaleza de Kotor, na colina de São João, reúne os estilos arquitectónicos ilírio, bizantino e veneziano. A fortaleza foi construída no séculoVI pelo imperador Justiniano I. A construção foi, no entanto, concluída durante a época veneziana, quando a cidade sucumbiu ao domínio veneziano. Hoje em dia, as ruínas da fortaleza são os únicos vestígios da sua glória, mas continuam a ser de cortar a respiração, e não só porque é preciso subir centenas de escadas íngremes para as ver na totalidade. Foi também uma dose de adrenalina simplesmente subir até lá, pois as escadas não estão bem restauradas em todas as partes e, por vezes, a vista estava mesmo debaixo dos nossos pés.

Aventura nas fortificações de Kotor antes do início dos trabalhos de restauro

Vista diurna da Baía de Kotor com destaque para as ruínas da Fortaleza de Kotor.
Ruínas da fortaleza de Kotor

As fortificações de Kotor foram severamente destruídas por terramotos, tendo o mais recente ocorrido em 1969. No mesmo ano, foram colocadas na lista de sítios do Património Mundial da UNESCO em perigo. Embora o restauro tenha sido efectuado em 2003, a maior parte do trabalho foi realizado na cidade. A fortaleza superior ainda tem os sinais do tempo, da erosão e dos terramotos – por isso, quando lá chegar, tenha cuidado! No entanto, naquelas ruínas não preservadas, encontrámos uma espécie de beleza melancólica. Por isso, no final, ficámos muito contentes por vê-lo tão selvagem, antes de o restauro lhe mudar o aspeto.

É possível descrever a história de Kotor, escrever sobre o seu aspeto, mas, por vezes, as palavras não são suficientes. No final, depois de ver as fotografias da câmara de Nico, Daria desistiu de escrever algo que pudesse corresponder às vistas captadas no filme. O contraste das cores da água, das montanhas escuras e dos edifícios da cidade era único. Embora Kotor não fosse um local de fácil acesso para nós, não nos arrependemos do esforço de lá chegar e ver esta cidade de contrastes.

Daria Trinkhaus

Daria Trinkhaus

Daria Trinkhaus is a writer, who loves to discover the hidden stories behind each and every place she visits.
Ponte do Milénio de Podgorica, Montenegro.

Podgorica

Um lugar que não pretende ser nada, por exemplo, uma “metrópole ocidental fixe”, para atrair

Ler mais "

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *