Atenas

Índice

Como é que imagina que será quando planear uma viagem a Atenas?

O Nico e eu imaginámos a Acrópole, o próprio Partenon, esculturas de mármore da antiguidade e muitas outras que recordávamos de fotografias que víamos frequentemente nos livros de história na escola.

Atenas, no entanto, surpreendeu-nos a muitos níveis. Acabou por ser uma cidade muito encantadora e animada, onde se pode facilmente dissolver-se na cultura grega e sentir-se como se estivesse constantemente a alternar entre uma cidade europeia moderna e uma civilização antiga.

Não preparados para o inverno grego

Vista panorâmica pitoresca da zona de Monastiraki, em Atenas, captada ao fim da tarde.
Vista da Acrópole

Quando chegámos a Atenas, a26 de janeiro, ficámos surpreendidos com o tempo. De alguma forma, tínhamos a ideia de que podíamos usar casacos leves e sentir o calor do clima mediterrânico. De facto, quase todos os dias foram soalheiros, mas as temperaturas desceram até aos -1ºC.

Verificou-se que o inverno de 2017 foi um dos mais frios dos últimos 10 anos. Até este ano, os habitantes locais não viam neve há muitos anos. Durante o dia, era suficientemente agradável para ter uma aura fria mas solarenga. O único problema era à noite, quando fazia muito frio. No entanto, como era uma boa altura para visitar as Tabernas Gregas (o nome dos restaurantes típicos gregos), não nos queixámos muito.

A cor de Atenas

Pôr do sol romântico, captado do topo do monte Lycabettus em Atenas, Grécia.
Pôr do sol em Atenas

A primeira coisa que nos apanhou de surpresa foi a cor de Atenas! À primeira vista, tudo parecia ser branco, com apenas algumas manchas de verde sob um céu azul claro. Mas se olhássemos mais de perto, poderíamos notar que alguns dos telhados tinham cores distintas – vermelho ou cinzento, mas alguns dos edifícios eram também bastante beges.

Vista panorâmica de Atenas, na Grécia, que parece uma antiga cidade grega.
Mar de mármore

No entanto, do ponto de vista ótico, tudo parecia tão claramente branco, o que é algo que normalmente associamos à arquitetura grega. Apenas algumas das cidades que vimos poderiam ter um portefólio de cores tão distinto – como, por exemplo, os telhados vermelhos de Praga. Essas primeiras vistas deixaram Nico ainda mais entusiasmado com a ideia de tirar fotografias em Atenas.

O bairro de Plaka para os amantes da história e da gastronomia

Em Atenas, ficámos em Plaka, um bairro conhecido não só pelas ruínas antigas, mas também pelos muitos restaurantes com óptima comida. Fomos informados pelo nosso taxista, como a primeira coisa a fazer aqui. Mas antes de mais nada – veja o que tem do lado de fora da sua janela (e tente não ficar a olhar fixamente durante muito tempo ou as pessoas vão rir-se de si). Quando se pára por um minuto e se olha para cima, é possível que se fique impressionado com a fantástica vista sobre a Acrópole, que se ergue majestosamente sobre a cidade. Não importa de que lado se olhe, ela está ali, uma cidade de pedra com séculos de idade.

Uma bela imagem da Catedral Metropolitana de Atenas.
Catedral Metropolitana de Atenas

Quando começámos a passear por Plaka, descobrimos que a Acrópole não é a única relíquia histórica que existe. Só de passear, descobrimos o Arco de Adriano, o Templo de Zeus, a Torre dos Ventos, a Ágora Romana, a Stoa de Attalos, a Igreja de Kapnikarea, o Monastiraki e muito mais. Para nós, o bairro de Plaka parecia quase um labirinto. Esta área foi desenvolvida na encosta norte da Acrópole em torno da Ágora já no período antigo. Atualmente, é uma mistura de edifícios de vários séculos, sendo o estilo de arquitetura neoclássico o mais predominante.

Comboio do metro em Atenas a passar pela Ágora
Comboio de metro em Atenas

Desde o primeiro dia, apercebemo-nos de que estávamos não só no centro de todas as atracções turísticas, mas também no meio da vida de Atenas. Aqui, um metro pode passar entre as antigas ruínas da Ágora, a mesma estação de metro pode ser um local histórico e as pessoas podem tratá-lo como algo mundano, passando rapidamente por locais históricos, provavelmente no regresso do trabalho.

A zona de Plaka foi uma excelente escolha para explorar a cozinha grega. Os restaurantes acolhedores de estilo caseiro estavam por todo o lado naquelas ruas muito estreitas. E, claro, ouvia-se música tradicional grega por todo o lado, independentemente do local da cidade onde se estivesse.

Portanto, basicamente, começámos a nossa aventura na Grécia comendo até nos fartarmos. E depois de alguns Meze (pequenos pratos típicos gregos), ficámos apaixonados por esta cozinha. No final da nossa viagem, até fizemos uma aula de culinária de pratos típicos desta região, para que esses sabores ficassem connosco mesmo em Berlim (recomendamos vivamente o curso de culinária com Filou na Diavlos Taverne). A Daria achou a meze vegetariana, que é uma espécie de salada grega, ou as bolinhas de curgete as mais agradáveis, enquanto o Nico gostou mais dos pratos de carne e do souvlaki (a comida de rua local, que é imperdível, especialmente em pão pita).

Para nós os dois, foi uma espécie de viagem sensual. Acabámos por descobrir não só o sol de novo, mas também as vistas e o sabor da Grécia, que é muito diferente do que estamos habituados nos restaurantes gregos na Alemanha.

Uma bela fotografia que mostra a animada Praça Monastiraki, em Atenas, à noite.
Praça Monastiraki à noite

Picture of Daria Trinkhaus

Daria Trinkhaus

Daria Trinkhaus is a writer, who loves to discover the hidden stories behind each and every place she visits.
San Gimignano e as vinhas de San Gimignano, Itália.

Toscana

A Toscana em Itália Quando as pessoas pensam na Toscânia, imaginam frequentemente colinas ondulantes cobertas

Ler mais "

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Retrato de Nico Trinkhaus

Nico Trinkhaus
Fotografia